A área de finanças é uma das mais importantes a serem acompanhadas na mensuração de resultados, pois ela afeta e é afetada por toda a organização. Qualquer desvio nas finanças empresariais pode impactar negativamente na performance da empresa, o que coloca a análise de dados como essencial na tomada de decisão.

No conjunto de soluções que auxiliam no acompanhamento das métricas financeiras, estão os sistemas de gestão empresarial, como o ERP, e o Business Intelligence, que integra suas fontes de dados a fim de extrair insights mais completos sobre o cenário corporativo.

Mas só tecnologia não basta. É preciso saber o que medir, certo? Então continue a leitura e descubra quais são as métricas mais importantes para sua área de finanças!

Prazo médio de recebimento

Como sabemos, tanto no B2C quanto no B2B, as compras a prazo são maioria. Consumidores compram no cartão de crédito e empresas pedem para faturar em 30, 60, 90 dias. Até aqui, tudo bem.

Mas sua organização precisa de fluxo de caixa imediato para pagar as contas em dia, certo? É aqui que entra a métrica de prazo médio de recebimento, que nada mais é do que o período de tempo que você leva para receber dos seus clientes.

Conhecer esse indicador ajuda a planejar o seu financeiro de forma que não falte dinheiro para honrar com seus compromissos. Também auxilia na construção das políticas comerciais da empresa, evitando que seu time de vendas prometa um prazo muito longo e assim você acabe sem recursos. A fórmula é a seguinte:

PMR = CONTAS A RECEBER DE CLIENTES / VALOR DIÁRIO MÉDIO DAS VENDAS

Prazo médio de pagamento

Assim como você tem clientes que demoram algum tempo para pagar, você também é cliente de alguém e pede as mesmas condições para poder bancar sua operação. Portanto, também deve conhecer seu prazo médio de pagamento, que é o tempo médio que você leva para pagar seus fornecedores.

O ideal é que seu prazo médio de pagamento seja maior que o prazo médio de recebimento, assim você gera fluxo de caixa para pagar seus fornecedores. Do contrário, você acaba endividando o negócio, seja com atrasos nos pagamentos de fornecedores ou aquisição de empréstimos para quitar as obrigações financeiras.

Para calcular o prazo médio de pagamento, divida o montante devido aos fornecedores pela média de compras diárias.

Giro do estoque

Empresas que trabalham com estoque precisam mensurar o desempenho e rotatividade de mercadorias. Para tanto, usa-se uma fórmula matemática bastante simples:

GIRO ESTOQUE = TOTAL DE MERCADORIAS VENDIDAS / ESTOQUE

Digamos que sua empresa vende 200 notebooks no mês e que seu estoque é de 50 notebooks. Neste caso, seu estoque gira 4 vezes no mês.

Essa métrica auxilia na composição do seu mix de produtos, pois diz quais têm maior saída, o que também permite um melhor planejamento de compras. É possível, ainda, estruturar campanhas de marketing e vendas para promocionar aqueles produtos com menor saída e assim liberar seu estoque para a renovação.

Margem de lucro líquida

Essa é uma das métricas que não podem faltar na mensuração de resultados. Ela corresponde ao lucro obtido pela empresa em cada produto ou serviço vendido.

Quanto maior a margem de lucro líquida, melhores os resultados da empresa, portanto, aprenda a calculá-la:

MARGEM DE LUCRO LÍQUIDA = RESULTADO LÍQUIDO / RECEITA

Liquidez corrente

Um dos sinais de saúde financeira de qualquer organização é sua capacidade de pagar as contas num curto espaço de tempo. E a métrica que nos diz isso é a liquidez corrente.

Basicamente, ela indica se há capital de giro suficiente para cumprir com as obrigações. A partir do controle de dados a este respeito, você pode definir estratégias como redução de custos, enxugar o estoque, melhorar a margem de lucro líquida, entre outras.

A fórmula é a seguinte:

LC = ATIVO CIRCULANTE / PASSIVO CIRCULANTE

Nível de endividamento

Outro grande contribuinte para avaliar a quantas anda o financeiro da empresa é o nível de endividamento. Essa métrica nos diz quanto sua empresa depende de terceiros para manter as operações em andamento.

Caso este valor seja alto, significa que sua empresa não tem condições de seguir sozinha e precisa de aporte de capital, seja por parte dos sócios ou investidores.

O nível de endividamento é calculado da seguinte maneira:

NE = (PASSIVO CIRCULANTE + EXIGÍVEL A LONGO PRAZO) / PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Retorno sobre o investimento (ROI)

Chegamos a uma das métricas que fazem os olhos de qualquer empreendedor brilharem: o retorno sobre o investimento. Ela demonstra quanto, efetivamente, sua empresa está ganhando sobre determinado investimento realizado.

Por exemplo: você investiu 20 mil reais em uma campanha de marketing, que retornou 100 mil em vendas. Isso significa que a empresa teve um retorno de 400%.

Contudo, é importante ter em mente que o ROI é uma medida do passado, ou seja, ele mede seu histórico. Também não há garantias de que ele se repita no futuro, portanto, deve sempre ser mensurado junto a outros indicadores de performance financeira.

Como manter o controle de dados como esses?

Diante de tantas fórmulas, você deve estar se perguntando como fazer o controle dessas métricas de modo frequente e seguro, sem dar margem para erros. A resposta está no uso de sistemas de gestão inteligentes, que, integrados ao Business Intelligence da organização, tragam mais do que números. Inspirem decisões.

Uma ferramenta de BI pode confrontar esses e outros dados, permitindo a visualização de cenários e tendências financeiras que auxiliem sua empresa na escolha dos melhores caminhos a seguir.

Contribui, ainda, para que toda a sua equipe consiga compreender a importância do acompanhamento das métricas, trazendo os resultados em dashboards intuitivos e de fácil interação.

Área de finanças, ok. Agora, o que acha de se concentrar nos indicadores de RH?

cta_IN_2